Existe uma estreita ligação entre o jogo, a criança e o que o teatro lhe oferece. Na verdade, para ela, o jogo (ou a representação) é:

 

  1. Uma necessidade que contribuí para o seu desenvolvimento físico, para uma melhoria do seu desempenho motor, e para o conhecimento que deve ter das suas próprias possibilidades físicas e do seu esquema corporal.
  2. Um meio de expressão que favorece o desenvolvimento intelectual e cultural (saberes, desenvolvimento crítico) e a definição das estruturas mentais.
  3. Um prazer que facilita o desenvolvimento social, as relações interindividuais, a sociabilidade, a partilha, a dissipação do egocentrismo.
  4. Uma motivação que permite o seu desenvolvimento afectivo, a formação e a afirmação de si (o conhecimento da sua própria sensibilidade e da dos outros).

O jogo dramático capaz de proporcionar estes quatro factores corresponde, assim, a uma efectiva educação da criança, na medida em que lhe ensina:

 

  • O espaço e os espaços: o nosso espaço quotidiano e os que se inscrevem fora do nosso quotidiano.
  • O conhecimento do seu próprio corpo: fazendo com que ele se torne o instrumento pelo qual passará toda a criatividade.
  • A trabalhar o seu imaginário
  • A escutar, a aceitar "criar o vazio" em si e à sua volta, a aprender a estar atento para que se possa escutar a si e aos outros.
  • O rigor, porque são eliminadas as ideias feitas de que a arte nasce da dor ou da fantasia.
  • A exprimir o vivido e a desenvolver a sensibilidade. A aceitar e a partilhar as emoções.
  • O colectivo. Aceitar que no grupo cada indivíduo possa exprimir-se tal qual é, deixando os outros exprimir-se tal como são e, a partir disso, procurar realizar uma expressão comum.
  • A partilha. Dar e receber como actos de alegria e amor.
  • A humildade. Todos são iguais perante o acto teatral, porque no teatro não há boa ou má pessoa.
  • A arriscar. Porque o teatro não é uma pedagogia do modelo, mas um trabalho de criação que se inscreve na proposta concreta e no risco.

 

In: Jogos de Expressão Dramática na Pré-Escola

sinto-me:
publicado por olharovazio às 21:05