(imagem retirada da net)

 

A intolerância alimentar é uma reacção adversa a um alimento desencadeada por um alimento ou ingrediente. Não envolve o sistema imunitário. A reacção é causada pela má digestão/absorção de um alimento específico ou ingrediente presente num dado alimento.

 

Causas:

São várias: libertação de histamina, que produz sintomas semelhantes aos de uma alergia: carência de enzimas responsáveis pela digestão de determinados alimentos, consumo excessivo de alimentos ricos em substâncias com efeitos farmacológicos (cafeína, histamina, tiramina, triptamina ou serotonina) ou reacção adversa aos aditivos presentes em alimentos processados.

 

Sintomas:

Os sintomas podem variar de pessoa para pessoa, tornando-se em alguns casos mesmo impossível de definir qual o ingrediente do alimento que provocou a reacção alérgica. Os sintomas de intolerância alimentar podem ser confundidos com os de uma alergia alimentar. Se o sistema digestivo não puder tolerar certos alimentos, o resultado pode ser uma perturbação gastrointestinal, gases, náuseas, diarreia e outros problemas. É imprtante consultar um médico para determinar a avaliar o grau e as causas de uma reacção alérgica a determinado alimento.

 

Tratamento:

Em primeiro lugar, é necessário identificar o alimento ou alimentos que provocam a intolerância. Depois disto, basta eliminá-los da dieta habitual.

 

Tipos mais comuns:

As intolerãncias mais comuns são as que dizem respeito aos hidratos de carbono, nomeadamente à lactose, glucose, galactose e sacarose. No entanto, a intolerância ao glúten também é muito comum. Outros tipos de intolerâncias incluem a intolerância ao álcool, a certos tipos de fibras e aditivos alimentares, tais como os intensificadores de sabor ou conservantes (sulfito) aplicados nos alimentos.

 

Intolerância à lactose:

A intolerância à lactose é a intolerância alimentar mais comum. as pessoas afectadas por ela não têm quantidade suficientes da enzima lactase, que digere o açúcar do leite, a lactose.

Os sintomas (Cólicas, gases, diarreia) desta intolerância manifestam-se 30 minutos a 2 horas após a ingestão de alimentos com lactose. Algumas causas são bem conhecidas, tais como certas doenças digestivas e lesões no intestino delgado, que podem reduzir a quantidade da enzima lactase.

Algumas crianças nascem sem a capacidade de produzir a lactase. No caso de crianças alimentadas com leite materno, o aleitamento deve ser mantido durante o máximo de tempo possível. No caso de crianças alimentadas com fórmulas contendo leite de vaca, esta deve ser substituída por fórmulas especiais com redução de lactose. Se a criança já bebe leite de vaca ou derivados do leite, estes devem ser retirados da alimentação.

Para a maioria das pessoas, a deficiência de lactase é algo que se desenvolve naturlamente com o tempo. Crianças mais velhas e a maioria dos adultos podem não precisar de uma dieta tão severa e alguns conseguem mesmo tolerar pequenas porções de lactose. Por exemplo, alguns toleram iogurte, outros não.

 

Intolerância à glucose e à galactose:

Provoca os mesmos sintomas e é tratada da mesma maneira que a intolerância à lactose, mas não existe deficiência enzimática. Estes açúcares não são absorvidos.

 

Intolerância à sacarose:

Esta intolerância é muito mais rara que a intolerância à lactose e é causada por uma deficiência na enzima sacarase.

 

In: Revista Certa

 

 

 

 

 

sinto-me:
publicado por olharovazio às 19:22